segunda-feira, 14 de novembro de 2016

A indescritível missão de ser quem você É


(Parte 1)

Não importa quem...
Sempre vai ter alguém dizendo para você como você deve SER.
Você sente raiva de um jeito diferente, nem parece que está com raiva...
Você deveria sempre pegar esta rua para sair naquela principal.
Você nunca parece estar gostando de nada... seja mais intenso em sua vida. Você parece nunca gostar de nada.
Você deveria abrir um site, mostrar o que você faz, tem que expandir o seu produto.
Você deveria não tomar muito sol, pois envelhece.
Você deveria tomar cuidado ao sair, existe muita violência.
Você deveria fazer como eu...

Porque o nosso jeito sempre encomoda quem quer que seja?
Porque é sempre melhor ser como você não é?
Quem disse, que a intensidade que você vive a sua vida tem que ficar visível para os outros e não apenas para você?
Será mesmo que para se chegar a rua principal, você deve pegar a mesma rua que seu vizinho?
O fato de sair de casa quase todos os dias quer dizer que você não está atento à violência que existe ao seu redor? Será que sua empresa, tem que ser conhecida por todos afim de fazer sucesso?
Será que a raiva que você sente e o modo de senti-la, deveser igual e durar o mesmo tempo que o das outras pessoas?

De vez em "sempre" temos que nos justificar. Onde não precisaria,
Onde o mais coerente seria SER.
O normal é ser IGUAL. É gostar daquele texto que TODOS gostaram. É aceitar o presidente que ninguém escolheu, mas TODOS acham que foi escolhido. É concordar que só se é político se tiver partido, É ter que se justificar sobre o seu pensamento, quando ele não se encaixa no NORMAL.

Normal é tudo que todos fazem, todos gostam, todos vão, todos concordam...
Não assistir filmes ou séries, é um sinal de desinformação. Ser designer e não gostar de Museu? Hein? Morar um tempo fora, voltar para o Brasil e não achar problema nisso? Enlouqueceu.

Me perdoem os normais, mas como já dizia Nelson Rodriguez: Toda unanimidade é burra!

Quanto mais o outro se aproximar de quem ele é, mais você se aproximará de quem você é. Aceitar o outro é aceitar a si mesmo... Ser tolerante é aprender a doce liberdade de aceitar o que é diferente de você, do que você pensa.








sábado, 23 de julho de 2016

"Que não se perca tempo"

Chega um momento na vida que as poucas companhias que temos, é tudo que temos.
Sabemos exatamente das pessoas que nunca vão nos abandonar, mas queremos a companhia daqueles que não temos certeza.
Passamos a ter certeza de que todos os dias são preciosos exatamente quando eles chegam ao fim e nada mais podemos fazer para que ele não tenha sido desperdiçado.
O final de cada dia é a real certeza de que o tempo não espera por nada...
Ao ver os dias passarem sem que as reflexões apareçam, começo a questionar a minha velocidade de viver. As vezes acho que nada irá esperar a lentidão dos meus passos, dos meus pensamentos e das minhas decisões.

A velocidade da vida me assusta e me faz acelerar meus passos mesma sem ter certeza das minhas escolhas e reais necessidades”.

Escrito em 31 de dezembro de 2010, no Aeroporto do Porto, esperando o vôo para Barcelona às 6:30.









quarta-feira, 28 de outubro de 2015

quarta-feira, 27 de maio de 2015

P e r c e p ç õ e s

(...)
É que parece que todo sorriso no rosto é sinal de felicidade.
É que está difícil explicar o que é e o que não é, para pessoas que não estão a fim de ouvir e entender isso nem aquilo.
É que dialogar está cada dia mais difícil, mais incompreensível, mais cansativo... todo mundo já sabe de tudo e ninguém está querendo perder tempo com aquilo que acha que já sabe.
É que está comum ouvir, “você não me entendeu”, ou “desculpa, eu não entendi você”.
É que prestar atenção no outro está ficando muito difícil.
É que para as pessoas saberem que você está triste, você precisa chorar... #sóquenão
É que nos dias atuais, tudo é visual, tudo é foto e redes sociais...sorrisos e biquinhos.
É que ser real ficou chato, bom mesmo é ser virtual, conecta e desconecta. 
É que a vida parecia tão simples, mas com o passar dos anos nos damos conta que ela não é tão simples assim! 
É que, depois de tudo, desaparecer nessa era virtual é tão difícil quanto estar presente.
(...)

quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014

Ser Forte

Ouvimos bastante a palavra "forte", quando alguém faz algo que nos chama atenção, ou que não faríamos, costumamos caracterizá-lo de forte. Existe uma beleza em ser forte... 

O texto de Flávio Gikovate caracteriza facilmente quem é este alguém forte. Antes de mais nada, alguém que tem "gênio forte" não tem nada a ver com alguém que "é forte".






_Uma Pessoa Verdadeiramente Forte_ 


"(...) Se pensarmos mais profundamente, perceberemos que as pessoas de "gênio forte" conseguem fazer prevalecer seus desejos apenas nas pequenas coisas do cotidiano. Elas decidirão a que restaurante os outros irão; a que filme o grupo irá assistir; se a família vai para a praia no fim de semana e assim por diante. As coisas verdadeiramente importantes - a saúde delas e a das pessoas com quem convivem; o sucesso ou fracasso nas atividades profissionais, estudos ou investimentos; as variações climáticas e suas tragédias, como inundações, desabamentos e terremotos; a morte de pessoas queridas - não são decididas por nenhum de nós. O que leva os de "gênio forte" a comportamentos ridículos: berram, esperneiam e blasfemam diante de acontecimentos inexoráveis, e contra os quais nada podemos fazer. Reagem como crianças mimadas que não podem ser contrariadas! Afinal de contas, isso é ser uma pessoa forte?
É claro que não. Querer mandar nos fatos da vida, querer influir em coisas cujo controle nos escapa, não é sinal de força, como também não é sinal de bom senso, sensatez e de uso adequado da inteligência. Talvez fosse muito bom se pudéssemos influir sobre muitas coisas que são essenciais. Mas a verdade é que não podemos. Isso nos deixa inseguros, pois coisas desagradáveis e dolorosas podem acontecer a qualquer momento. E não serão nossos berros que impedirão nossos filhos de serem atropelados, nossos pais de morrerem, nossa cidade de ter enchentes ou desabamentos.
O primeiro sinal de força de um ser humano reside na humildade de saber que não tem controle sobre as coisas que lhe são mais essenciais. Sim, porque este indivíduo aceitou a verdade. E isso não é coisa fácil de fazer, especialmente quando a verdade nos deixa impotentes e vulneráveis.
O segundo sinal, e o mais importante, é a pessoa compreender que ela terá que tolerar toda a dor e todo o sofrimento que o destino lhe impuser. E mais - e este é o terceiro sinal -, terá que tolerar com "classe" e sem escândalos. Não adianta se revoltar. Não adianta blasfemar contra Deus. Ser forte é ter competência para aceitar, administrar e digerir todos os tipos de sofrimento e contrariedade que a vida forçosamente nos determina. É não tentar ser espertinho nas coisas que são de verdade. As pessoas que não toleram frustrações, dores e contrariedades são as fracas e não as fortes. Fazem muito barulho, gritam, fazem escândalos e ameaçam bater. São barulhentos e não fortes - estas duas palavras não são sinônimos!
O forte é aquele que ousa e se aventura em situações novas, porque tem a convicção íntima de que, se fracassar, terá forças interiores para se recuperar. Ninguém pode ter certeza de que seu empreendimento - sentimental, profissional, social - será bem-sucedido. Temos medo da novidade justamente por causa disso. O fraco não ousará, pois a simples idéia do fracasso já lhe provoca uma dor insuportável. O forte ousará porque tem a sensação íntima de que é capaz de agüentar o revés.
O forte é aquele que monta no cavalo porque sabe que, se cair, terá forças para se levantar. O fraco encontrará uma desculpa - em geral, acusando uma outra pessoa - para não montar no cavalo. Fará gestos e pose de corajoso, mas, na verdade, é exatamente o contrário. Buscará tantas certezas prévias de que não irá cair do cavalo que, caso chegue a tê-las, o cavalo já terá ido embora há muito tempo. O forte é o que parece ser o fraco: é quieto, discreto, não grita e é o ousado. Faz o que ninguém esperava que ele fizesse."

A criança que fomos um dia, nos diz o adulto que somos hoje. 
As crianças de gênio forte, não serão os adultos fortes. 

quinta-feira, 5 de dezembro de 2013

Os opostos que se conectam


Esta semana o consagrado fotógrafo brasileiro, Sebastião Salgado, colocou esta foto em sua página do facebook, com a seguinte pergunta: 

What do you think could be the main idea for this picture?

(O que você acha que poderia ser a principal ideia desta foto?)

Não sei o que ele pensou...
Mas quase 900 usuários do facebook deixaram sua idéia sobre a mensagem desta foto... 
No geral todos partiram de uma mesma ideia: os opostos que se conectam,

O passado e o futuro,
O jovem e o velho,
O aprender e o desaprender,
O começo e o fim,
O bonito e o feio,
O útil e o inútil...

A imagem traz uma mensagem de muita reflexão. Há uma conexão entre o garotinho e a velhinha.
Os dois precisam de cuidado. E o cuidado vem de pessoas...  
Neste caminho entre nascimento e velhice precisamos de pessoas... precisamos de atenção... precisamos de sentimentos... precisamos achar o sentido das pessoas na nossa vida...
Precisamos substituir as "muletas" por um braço que nos apóie. Uma mão que nos guie. Um abraço que nos fortaleça. 

O início e o fim é certo, incerto é como iremos preencher o espaço entre os dois. 




terça-feira, 1 de outubro de 2013

Uma mente brilhante

"Sonhos e pesadelos, assim como o passado ... só existe se nós os alimentamos" 

Vivamos o Presente!!

Mensagem que deixa o filme - Uma mente brilhante

Busca

Carregando...